Basta andar de carro ou a pé por pouco tempo para perceber a quantidade de animais que vivem nas ruas. Vítimas de abandono ou por já terem nascido lá, muitos desses bichinhos passam a vida toda à própria sorte e por isso necessitam de um resgate animal.

Existem ONGs e pessoas que se empenham em resgatar esses animais, mas é um trabalho demorado, que exige bastante esforço e dedicação. Por isso, se você deseja contribuir para a causa e ajudar um pet de rua, temos algumas dicas para fazer isso com a maior segurança. Veja quais são!

Ganhe a confiança do pet

O primeiro passo para fazer um resgate animal é ter paciência e se aproximar com cuidados. Muitos desses bichinhos sofrem maus tratos e por isso acabam se assustando com qualquer movimentação estranha.

Uma boa maneira de ganhar a confiança do pet é se aproximar devagar e oferecer alguma comida. Leve pedaços de carne, ou até mesmo ração para atraí-los, assim ele se aproxima por vontade própria.

Assim que ele se sentir mais confortável com você, deixando que o acaricie, então é hora de levá-lo ao veterinário. Caso o pet esteja muito arisco, talvez seja necessário buscar ajuda e, para animais feridos, busque um pano para envolvê-lo e carregá-lo até o médico.

Garanta os primeiros cuidados médicos

Como o pet veio da rua, provavelmente ele nunca teve acesso a cuidados médicos e pode ter sido exposto a doenças ou machucados. Por isso, logo após o resgate animal você deve levar o bichinho até o veterinário mais próximo para fazer os exames necessários.

A avaliação médica serve para identificar doenças, passar exames e receitar medicamentos. Além disso, você também receberá orientações sobre alimentação, castração, vermifugação e vacinação.

Se o veterinário autorizar, a clínica tem como levar o bichinho para tomar banho, receber uma tosa e tirar possíveis nós do pelo dele. Esse procedimento também é útil para identificar problemas de pele no pet.

Encontre um lar para ele

As pessoas que fazem esse processo de resgate animal não necessariamente irão adotar o pet, por isso é importante saber as suas condições e limites para encaminhar o bichinho ao melhor lugar possível.

Você pode optar por entrar em contato com uma ONG para facilitar o processo de adoção, ou falar com conhecidos e amigos para garantir um dono responsável para o bichinho. Nesse meio tempo, procure oferecer todos os cuidados necessários para a boa saúde do pet.

Mas caso deseje, também é possível você mesmo adotar o animal resgatado, apenas tenha certeza de que pode arcar com essa responsabilidade. Verifique com o veterinário todas as necessidades do pet e siga à risca as orientações dele.

Agora é só colocar nossas dicas em prática e ser mais uma mão amiga para o resgate animal. Até a próxima!

Nascida no Ceará e espalhada para vários outros estados do país, a campanha Dezembro Verde veio para trazer mais conscientização a respeito do abandono de animais e lutar contra esses atos. E não foi por acaso que o mês de dezembro foi escolhido para ser o mês da campanha, pois o dia 10/12 é o Dia Internacional dos Animais.

Além disso, é nesse período que geralmente a taxa de abandono aumenta. Entre os meses de dezembro e fevereiro os números podem aumentar até 70%. Sim, é um absurdo! E vale lembrar que no Brasil o abandono de animais é CRIME! 

Justamente neste mês as ONGs que cuidam e acolhem esses bichinhos começam a passar por dificuldades. É comum ver nas redes sociais campanhas de doação de ração ou até mesmo de adoção. Isso acontece porque devido ao aumento da taxa de abandono, os recursos das instituições ficam escassos, dificultando que o trabalho seja feito.

Os ativistas trabalham com alguns argumentos a favor da causa, além do óbvio, é claro. Um deles é a questão da segurança e saúde públicas. Com esse desamparo, as consequências são desencadeadas. Em Fortaleza, por exemplo, temos, em função do abandono animal, alguns bichinhos totalmente fora de seu habitat, correndo riscos e trazendo problemas.

Criação do Dezembro Verde

A campanha Dezembro Verde foi criada pelo protetor animal Alex Paiva, de Sobral, no Ceará, junto com a ativista Drika Morais, como uma forma de conscientizar as pessoas sobre o abandono de animais.

Depois a Campanha recebeu também ideias das protetoras Goretti Queiroz de Pernambuco e Valéria Mendes de Brasília que ajudaram a definir a cor verde.

A proposta foi tomando corpo em outras cidades pelo Brasil e no ano passado ganhou até a Lei Complementar nº 518, acatando projeto de lei da vereadora Ana Rita Negrini Hermes, que institui a campanha “Dezembro Verde – Não ao abandono de animais” no município de Joinville, em Santa Catarina. 

Protetores de todo o país têm abraçado a campanha do Dezembro Verde espalhando-a pelas redes sociais.

Abandono de animais no Brasil é crime

A população canina no Brasil é de 55,2 milhões e a felina de 22 milhões, segundo estimativas do IBGE. No entanto, nem todos esses animais possuem um lar definitivo, por isso são chamados de animais em situação de rua. 

Então, nesses casos, alguns já nascem de animais sem donos. Entretanto, os absurdos ainda acontecem e alguns são abandonados por pessoas que adotaram ou compraram. 


De acordo com a lei 9.605/98 o abandono é considerado uma forma de maus tratos, logo é passível de pena. Essa pena pode chegar a ser de três meses a um ano de detenção e multa. Se houver morte do animal a pena é aumentada em um sexto a um terço. 

Seja adepto da guarda responsável

A gente ainda não sabe outra maneira de ajudar e diminuir essa taxa de abandono que não seja por meio da conscientização de uma guarda responsável. Mas o que é isso? A guarda responsável acontece quando você analisa bem sua situação e sabe que não haverá arrependimentos após adotar um animalzinho. 

Se você optar por adotar, crie um laço com esse animal, trate-o como alguém da família. Você não sai por aí deixando seus filhos, primos, irmãos na rua por simplesmente não conseguir cuidar. Por isso, pense bem antes de adotar ou comprar um bichinho. 

É como um casamento: na riqueza ou na pobreza, na saúde ou na doença. Isso deve também ser ensinado às crianças em casa e na escola. Elas precisam saber que animais não são brinquedos descartáveis e que adotá-los significa assumir uma responsabilidade por toda a vida deles.

Dezembro Verde: A Animale apoia a causa

Nós amamos os animais e somos adeptos dessa campanha. Trouxemos essas informações hoje como maneira de alertar sobre o absurdo que é o abandono animal. Não compre ou adote sem assumir integralmente as responsabilidades. Tenha certeza da decisão e seja um tutor responsável, ajudando a diminuir essa taxa de abandono. 

Até a próxima! 


adocao

Você sabe como é realizar uma adoção consciente e os benefícios que ela traz para você e para o animal? 

A alegria que um pet de estimação pode trazer para uma casa é imensurável. Algumas pessoas mudam completamente seus hábitos, seu humor e sua relação com o mundo após terem algum bichinho para trocar carinho e atenção. 

E geralmente os animais mais adaptáveis à rotina humana são os gatos e cachorros. Por isso que é mais comum que sejam os preferidos na hora da adoção. Mas é extremamente necessário que esse processo seja de uma adoção consciente, com todos os preparatórios para o bem-estar do animal.

Adotar no momento exato, com as condições ideias para o animal, checar a saúde do bichinho estão entre os processos de uma adoção consciente. Vamos ler mais sobre isso? Fizemos esse artigo especial para você que está pensando em adotar um amiguinho.

Quando ter um animal de estimação?

Mesmo que a vontade de ter um animal de estimação seja grande, é preciso preparar o ambiente para recebê-lo. Saber como funciona sua rotina ajudará a entender se você está pronto para ter um pet como companheiro.


Isso porque independentemente da idade, os animais devem sempre ser tratado como crianças. Sendo assim, acabam exigindo um espaço no seu tempo e no seu orçamento também.

Inclua na sua “planilha de gastos” tudo que envolve o animal: alimentação, medicamentos, necessidades básicas e até brinquedos para a diversão. Também pense no seguinte “eu tenho tempo para brincar, dar atenção e afeto?”. Se a resposta for sim, você está pronto.

O que levar em consideração para fazer uma adoção consciente?

adocao

Alguns pontos devem ser considerados, como já falamos, para uma adoção consciente. Existem milhares de animais em abrigos e ONGs esperando para serem adotados depois de serem resgatados de alguma situação traumática ou abandono. Portanto é necessário que o novo tutor esteja comprometido com o bem-estar desse animal.

Geralmente os cães e gatos disponíveis para adoção são SRD, sem raça definida, e sofrem algum tipo de preconceito. Mas é importante lembrar que esses bichinhos têm tanto amor e afeto para dar como qualquer outra raça com pedigree. 

Vamos então aos pontos a serem considerados? 

01. O local da adoção

Muitas pessoas costumam adotar animais abandonados que encontram nas ruas, outras preferem procurar um local específico para fazer a adoção.  Procurar ONGs ou Centros de Controle de Zoonoses, presentes na maioria das cidades, também é uma opção válida.

Essas são alternativas seguras para adotar com mais segurança, pois as instituições mantêm o histórico e preservam a saúde do animal.

02. A saúde do animal

Geralmente as instituições que trabalham com adoção possuem médicos veterinários para certificar a saúde do animal. Porém ao escolher seu novo companheiro é importante também levar ao seu profissional de confiança, para garantir um check up geral. 

Se o animal tiver sido encontrado na rua, sempre busque saber se possui alguma doença para ser tratada com a maior eficácia o possível. O tutor deve estar disposto a investir tempo de cuidado e dinheiro para dar a esses animais um novo lar em que possam ser felizes. 

03. Adaptação à casa

É comum que muitos animais disponíveis para adoção tenham sido vítimas de maus tratos e estejam com seu comportamento natural alterado. Ao levar um bichinho para casa, é preciso dar a ele um tempo para se acostumar ao novo ambiente. 

O primeiro banho pode ser uma excelente oportunidade para ganhar a confiança do animal. Recomendamos que esse primeiro banho seja dado após 15 dias da adoção, que é quando o animal já pode estar mais confortável em seu novo lar. 

Adoção consciente exige amor! 

Todos esses pontos são importantíssimos para que o animal se sinta bem aos seus cuidados, mas aquilo que não pode faltar de forma alguma é o amor. Se você oferecer carinho e afeto ao seu companheiro, ele com certeza responderá da mesma forma.

A Animale disponibiliza vários animais para adoção. Se tiver algum dúvida de como funciona o processo, entre em contato com a gente, será um prazer atender e ajudar esses animaizinhos a conseguirem um novo lar. 

ilustrativa-newsletter

Cadastre-se e receba novidades no seu e-mail